ONLINE
5



O Rico e Lázaro

O Rico e Lázaro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Para a parábola, veja Parábola do Rico e Lázaro.
O Rico e Lázaro
Informação geral
Formato Telenovela
Gênero Épico
Bíblico
Romance
Duração 60 minutos
Criador(es) Paula Richard
País de origem  Brasil
Idioma original Português
Produção
Câmera Multicâmera
Empresa(s) de produção Casablanca
Exibição
Emissora de televisão original RecordTV
Formato de exibição 4K 1080i (HDTV)
Transmissão original 13 de março de 2017

O Rico e Lázaro é uma telenovela brasileira produzida pela RecordTV, com previsão de estreia para 13 de março de 2017, substituindo A Terra Prometida. [1]

 

 

Antecedentes e contexto

"Novelas das oito" anteriores

Ainda em 2005, com a contratação do dramaturgo Lauro César Muniz, a Record anunciou seus planos de passar a ter, em sua programação, dois horários distintos destinados à exibição de telenovelas[2][3]. A emissora já possuía, à época, o "RecNov", um estúdio localizado no Rio de Janeiro destinado à produção de sua teledramaturgia, de forma similar ao que a Globo já fazia nos estúdios "Projac". A estrutura, entretanto, ainda não estava totalmente definida, e as filmagens de Prova de Amor a ocupavam integralmente. Uma vez que as obras de ampliação não iriam estar concluídas em tempo hábil[4] para o início das filmagens de Cidadão Brasileiro, a telenovela escrita por Muniz, outros locais foram utilizados pela emissora como cenário[5][6][7]. Em março do ano seguinte, Cidadão Brasileiro começou a ser exibida nesse segundo horário[8]. A telenovela foi exibida, em seu mês de estreia, às 20h 30min, mas sofreria nos meses seguintes uma série de mudanças em seu horário até regularizar-se às 22h 00. Esse horário foi seguido pela produção que a sucedeu, Vidas Opostas[9], enquanto o horário "das oito" seria posteriormente ocupado por Luz do Sol, que começou a ser exibida em 21 de março de 2007[10][11].

Entre 2006 e 2009, sucedendo à Cidadão Brasileiro, cinco telenovelas estrearam no horário de 20h30[12] e em novembro de 2009 a emissora anunciou que já tinha capacidade de realizar até seis produções ao mesmo tempo[13], reforçando o projeto de implementar não apenas dois, mas três horários destinados à exibição de telenovelas, algo que vinha sendo cogitado desde 2005, quando Margareth Boury foi anunciada como a autora de uma produção com temática juvenil até então denominada "E aí?", que seria exibida à tarde[8], mas que acabou não sendo produzida. Boury escreveria, em 2006, Alta Estação, telenovela que inauguraria um terceiro horário distinto destinado à exibição de produções do gênero[14]. Embora bem recebida pela crítica, a telenovela não alcançou índices de audiência considerados satisfatórios pela emissora, não conseguindo se consolidar como a segunda maior audiência do horário - o que levou ao seu cancelamento em maio do ano seguinte, pouco antes do término de sua primeira temporada e com os roteiros da segunda já sendo produzidos[15]. O site "NaTelinha", do portal de notícias UOL, chegaria a mencionar que tal cancelamento representaria uma decisão "precipitada" e "lamentável", colocando "um ponto final na terceira faixa de novelas, projeto audacioso da Record que dificilmente terá continuidade"[16].

Desde então, a emissora não conseguiria exibir, simultaneamente, três telenovelas inéditas. Entre 2007 e 2010, apenas dois horários da programação da emissora foram destinados à exibição de telenovelas.[17] Bela, a Feia, telenovela baseada em La fea más bella, inicialmente representaria um retorno ao terceiro horário de telenovelas, mas atrasos na sua produção fizeram com que fosse reposicionada na programação[18]. Uma segunda coprodução México-Brasil entraria no lugar de Bela, a Feia, mas, em janeiro de 2010, o jornalista José Armando Vannucci noticiou que a Record não apenas não conseguiria exibir três telenovelas ao mesmo tempo, como abandonaria o segundo horário destinado ao gênero, deixando para exibir, no mínimo por todo o primeiro semestre de 2010, apenas uma telenovela: Ribeirão do Tempo.[19] Em janeiro de 2010, a emissora emitiu um "Comunicado à Imprensa" anunciando que, com o término de Poder Paralelo, não iria mais exibir uma telenovela no horário das 22h, com Ribeirão do Tempo substituindo Bela, a Feia, mas que ainda no primeiro semestre exibiria uma nova produção, no horário das 19h[17].

Rebelde foi a novela em questão a reinaugurar o segundo horário de novelas da Record na época, porém sua estreia só ocorreu em 21 de março de 2011.[20] A partir de 11 de julho de 2011, a emissora anunciou que começaria a exibir Rebelde às 20h30[21][22]. A novela que chegou a ser sucesso foi perdendo audiência em sua segunda temporada e em 12 de outubro de 2012, saiu do ar antes do previsto e consequente acabou-se o segundo horário de telenovelas da emissora.[23] Com o fim de Rebelde restou a Record na época o seu único horário às 22h30 em que estava sendo exibida a telenovela Balacobaco e posteriormente foi exibida Dona Xepa e o começo de Pecado Mortal.[24] Com a baixa audiência Pecado Mortal, a telenovela em 3 de fevereiro de 2014 foi transferida para às 21h15. Enfrentando o principal horário de telenovelas da Globo nem ela e nem sua sucessora Vitória foram bem e para a telenovela Os Dez Mandamentos ficou decidido que o melhor horário para ela seria exibi-la às 20h30.[25]

Popularização da teledramaturgia épica

O Rico e Lázaro é classificada como parte da "teledramaturgia bíblica", um gênero específico fortemente associado à Rede Record. Segundo Arthur Vivaqua, do site brasileiro "RD1", a exibição de produções que fossem adaptações de histórias da Bíblia foi uma das estratégias mais bem-sucedidas da emissora: "A princípio, a proposta de transformar sagas de cunho religioso em minisséries voltadas para o grande público causou certa estranheza, mas a aposta acabou se tornando um dos maiores acertos da emissora, que encontrou um filão inexplorado por suas concorrentes", disse, em texto produzido antes da estreia de Os Dez Mandamentos. O investimento no gênero que acabaria se tornando uma característica associada à teledramaturgia da emissora teve início no ano de 2010, com a exibição de uma minissérie em dez capítulos, intitulada A História de Ester.[26] Embora criticada por sua produção deficiente, em especial pelas barbas postiças utilizadas pelos atores, a primeira produção alcançou índices satisfatórios de audiência, e levou a emissora a continuar a investir no gênero. Assim, seguiram-se as minisséries Sansão e Dalila, Rei Davi, José do Egito e Milagres de Jesus. Cada produção possuía mais capítulos que a anterior, e, conforme se mostravam bem-sucedidas, maiores eram os investimentos feitos pela emissora. Em 2011, Sansão e Dalila teve 18 episódios produzidos ao custo anunciado de 12 milhões de reais, e seguiu a produção de Rei Davi no ano seguintes. Os resultados de Rei Davi levaram a emissora a investir 28 milhões de reais para produzir os 24 capítulos de José do Egito. Ao ser exibida em 2013, entretanto, a minissérie teria sido reeditada de forma a ter 37 capítulos.[26]

Embora fosse menos bem-sucedida junto ao público que Rei Davi, os resultados obtidos por José do Egito foram considerados suficientemente satisfatórios pela emissora para assegurar novas produções do gênero. As chamadas "produções bíblicas", segundo Keila Jimenez, da Folha de S.Paulo, podiam inclusive substituir a produção de telenovelas convencionais: "Responsáveis pelas maiores audiências da emissora nos últimos anos, as minisséries bíblicas estão cada vez mais extensas, com mais capítulos, e (...) há quem aposte que essas produções bíblicas podem acabar tomando de vez o lugar das novelas convencionais na Record, uma vez que as últimas apostas do gênero (...) não vêm correspondendo em audiência".[27] A partir de 2014 a emissora exibiria Milagres de Jesus, uma produção elogiada pela crítica, mas incapaz de alcançar de forma bem-sucedida o público.[26] Após a exibição da primeira temporada, a emissora anunciaria a produção de novos episódios para o ano seguinte, bem como a de uma telenovela intitulada Os Dez Mandamentos.[28]

Sucesso imediato e consolidação do horário para novelas bíblicas

Os Os Dez Mandamentos foi um sucesso imediato e fez história na televisão brasileira. Com a novela, a emissora bateu um recorde de audiência ao ultrapassar pela primeira vez em 40 anos a principal novela da Globo.[29] Com o sucesso da novela,a Record decidiu em outubro de 2015 que o horário das 20h30 seria apenas dedicado às produções bíblicas e anunciou para 2016 a estreia de uma nova novela bíblica A Terra Prometida, enquanto isso o horário passaria a ser ocupado pela reprise da minissérie Rei Davi e em seguida vieram em sequência as reprises de José do Egito e Sansão e Dalila [30][31][32].

A parte introdutória de A Terra Prometida, que conta a história dos 40 anos pelo deserto, acabou desmembrada formando uma nova temporada de Os Dez Mandamentos chamada Os Dez Mandamentos - Nova Temporada e que foi exibida de 04 de abril a 04 de julho de 2016.[33] Em seguida inicia-se A Terra Prometida que narra a história do povo hebreu já sob o comando de Josué, ele tem a missão de comandar as doze tribos de Israel  na conquista de Canaã, a Terra Prometida[34]

Dando sequência as novelas bíblicas, foi anunciado em março de 2016 para ser exibida em 2017 como substituta de A Terra Prometida, a telenovela O Rico e Lázaro.[35]

Sinopse

Em 586 A.C., após a Morte de Josué (Sidney Sampaio) o povo hebreu começa a "seguir seu próprio caminho", dando as costas para Deus e começando adorar deuses pagãos. Mas quando um homem, o profeta Jeremias (Vitor Hugo) tenta alertá-los, seu próprio povo tenta apedrejá-lo, o chamando de traidor e falso profeta, mas sua profecia se cumpre com a chegada de Rei Nabucodonosor II (Heitor Martinez) e de sua esposa Rainha Amitis (Adriana Garambone). E em outra parte da história envolve o triângulo amoroso envolvendo Joana (Milena Toscano) , Zac (Igor Rickli) e Asher (Dudu Azevedo), que no começo da novela eram amigos de infância, mas com o passar do tempo o trio vai crescendo e Zac (Igor Rickli) e Asher (Dudu Azevedo) se apaixonam por Joana, mas ela corresponde apenas Asher (Dudu Azevedo).

Elenco

Elenco Personagens
Milena Toscano Joana (2ª Fase)
Maitê Padilha Joana (1ª Fase)
Igor Rickli Zac (2ª Fase)
Vinicius Scribel Zac (1ª Fase)
Dudu Azevedo Asher (2ª Fase)
Rafael Gevú Asher (1ª Fase)
Paulo Gorgulho Abraão
Zé Carlos Machado Fassur
Gabriel Gracindo Profeta Daniel
Vitor Hugo Profeta Jeremias
Licurgo Spinola Profeta Ezequiel
Heitor Martinez Rei Nabucodonosor II
Adriana Garabone Rainha Amitis
Kayky Brito Evil-Merodaque
Ângelo Paes Leme Nebuzaradã
Nikolas Antunes Abede-Nego
Saulo Meneghetti Oziel
Pérola Faria Princesa Kassaia
Sthefany Brito Princesa Nitócris
Anderson Müller Tamir
Denise Del Vecchio Elga
Cássio Scapin Beroso
Christine Fernandes Sammut Ramat
Bruna Pazinato Rebeca
Ycaro Tavares Hassube
Daniel Breda Matias

Galeria